O Que Aconteceu Com o Petróleo, Quais as Expectativas Para o Futuro e o Efeito na Petrobras

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Petróleo WTI foi cotado negativo na segunda-feira

  • Especialistas dizem que isso não deve voltar a acontecer

  • Petrobrás não foi muito afetada por essa queda, mas a guerra do petróleo já está cobrando um preço caro

  • promo

    Estamos compartilhando informação no nosso grupo de Telegram , siga-nos! E obtenha sinais de trading e análise de criptomoedas diariamente!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

Pela primeira vez na história, o petróleo foi cotado a um valor negativo e chocou o mundo nesta segunda-feira. Esta marca histórica foi atingida nos contratos para maio do petróleo WTI (West Texas Intermediate), que é comercializado na Bolsa de Nova York.



O petróleo WTI para maio foi cotado, na última sexta-feira, dia 17, a US $ 18,27, porém, nesta segunda o preço do barril chegou a impressionantes US $ 337,63 negativos. Uma desvalorização de US $ 55,90, que acabou puxando para baixo o desempenho geral de Wall Street.

A combinação entre os efeitos causados pela pandemia de coronavírus e o excesso de petróleo disponível são a provável causa para o desempenho do petróleo WTI. Especialistas dizem que, com o afrouxamento da quarentena e a volta gradual do comércio essa situação não deve voltar a acontecer.



Mas, por que o preço do petróleo caiu tanto?

Com a crise causada pelo coronavírus, a demanda mundial de petróleo caiu em torno de 25% a 30%. Porém, antes de decidirem por cortar suas produções em 10 milhões de barris por dia, a Arábia Saudita e a Rússia tinham acelerado suas produções em março. Isso resultou um excesso de petróleo e esgotamento da capacidade de armazená-lo.

Essa confusão entre oferta e demanda acabou atingindo em cheio os contratos de maio do WTI. Sem ter onde estocar o petróleo comprado, muitos investidores preferiram pagar para devolver os barris comprados, o que levou ao preço negativo.

Especialistas dizem que já era de se esperar que algo assim fosse acontecer, já que desde março foi possível perceber o excesso de oferta, o problema é que o mercado permaneceu inconsciente e agora vê a sua realidade se afundando.

Mas parece ser improvável que o mesmo aconteça com os contratos para junho do petróleo WTI, o corte combinado pela Opep+ (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) deve surtir efeitos concretos sobre os estoques. Além disso, com a decisão de afrouxar a quarentena, o vencimento do próximo mês não deve sofrer uma pressão de vendas tão intensa.

Apesar de terem sofrido uma queda, os preços do petróleo a ser entregue em junho teve uma redução em proporções reais, 16%, fazendo com que o preço do barril caísse para US $ 21.

Mas e o Brasil? E a Petrobras?

Apesar de ter sofrido uma queda, as ações da Petrobras não foram muito afetadas pela volatilidade do petróleo WTI, já que a empresa brasileira tem como referência o petróleo Brent.

Ao contrário do petróleo WTI, que é extraído na região do Golfo do México e comercializado na Bolsa de Nova York, o petróleo Brent é extraído no mar do Norte e no Oriente Médio e comercializado na Bolsa de Londres. Para efeito de comparação, ontem o petróleo Brent sofreu uma queda de 6%, tendo o seu barril comercializado por US $ 26.

Porém, ainda que a referência para nós seja o Brent, a volatilidade do óleo WTI vai tirar o ímpeto dos mercados globais, o que, certamente irá repercutir de alguma forma no Brasil. Além disso, a guerra do petróleo já foi sentida aqui, a Petrobras já foi obrigada a fazer doze reduções de preço esse ano para não perder clientes internacionais.

O mercado precisa iniciar o doloroso processo de equilibrar a oferta com uma perspectiva de demanda menor, principalmente neste momento onde a situação econômica está travada sem uma verdadeira clareza sobre o que está por vir.

Para manter-se informado, tendo a sua disposição conteúdo constante e de qualidade, não deixe de acompanhar nosso site. Aproveite e faça parte da nossa página de criptomoedas no Twitter.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Share Article

Mercadóloga, mestra em estratégia e estudiosa do mercado financeiro. Entusiasta do Bitcoin, começou a escrever sobre criptomoedas em 2017 e nunca mais parou. Atualmente é colaboradora do portal BeInCrypto.

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá