A OKEx bloqueou saques de clientes nesta sexta-feira (16) em meio a uma investigação e a suposta prisão do fundador, Star Xu. No entanto, horas depois, a exchange foi acusada de mover 8.500 BTC custodiados. A empresa nega.

Os Bitcoins teriam sido movidos em duas transferências, uma de 5.000 BTC, e outra de 3.500 BTC. Juntas, elas somam mais de US$ 96 milhões ou mais de R$ 540 milhões. A movimentação foi registrada na blockchain e alertada pelo monitor Whale Alert.

Os alertas mencionam que os Bitcoins teriam saído da OKEx e ido em direção à rival Binance. No entanto, o Whale Alert menciona que há suspeitas de que os fundos tenham sido transferidos dentro da própria OKEx.

Suspeitamos que sejam transferências de internas da exchange. Estamos investigando o assunto agora.

Entretanto, Jay Hao, CEO da OKEx, negou que a corretora tenha movido os Bitcoins. Segundo ele, o endereço de origem dos BTCs não são pertencentes à exchange.

Estes não são endereços #OKEx; @whale_alert e outros terceiros rotularam esses endereços incorretamente. Conte apenas com os canais oficiais da OKEx para obter informações atualizadas.

Além disso, Philip Gradwell, economista-chefe da empresa de análise de dados Chainalysis, apontou o possível erro no alerta.

Advertisement
Continue reading below

Isso está com identificado incorretamente, não é uma transferência da OKEx para a Binance.

OKEx ainda deve explicações

O bloqueio de saques anunciado nesta sexta-feira de forma abrupta pegou usuários de surpresa. Segundo a empresa, as chaves privadas da plataforma teriam sido requisitadas por autoridades. O bloqueio de saques, portanto, teria sido motivado pela impossibilidade de autorizar a movimentação de fundos.

No entanto, um veículo chinês aponta que Star Xu estaria “fora de alcance” desde o começo de outubro, quando teria sido detido pela polícia. O CEO da exchange já havia relatado no passado que os detentores das chaves privadas da plataforma estavam tendo “problemas pessoais”.

A empresa ainda não forneceu mais detalhes sobre o problema. Além disso, ainda não há previsão de quando as operações irão voltar à normalidade.