Os riscos das moedas digitais de bancos centrais

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • O desenvolvimento de CBDCs continua a ser um tópico de discussão.

  • Vários países estão testando suas moedas digitais do banco central.

  • Riscos à privacidade e segurança estão no centro dos debates da nova fronteira do dinheiro.

  • promo

    Lançamento de BIT: Ganhe até 3.500 BIT. Não perca esse bonde Entrar agora!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

O desenvolvimento de moedas digitais de banco central (CBDCs) continua a ser assunto de discussões quentes, e por boas razões.

Patrocinados



Patrocinados

Sejam uma solução ou um risco para o sistema financeiro global, os CBDCs são onde o mundo busca respostas.

Crimes financeiros e atividades fraudulentas relacionadas à Internet não mostram sinais de redução. Como resultado, é necessário proteger os mecanismos do comércio como um todo.

Patrocinados



Patrocinados

Faz parte dessa proteção encontrar uma solução para combater a instabilidade monetária e financeira. Não apenas para países, mas para indivíduos que não podem acessar as inclusões financeiras fornecidas por instituições bancárias.

De acordo com o Bank For International Settlements, 56 bancos centrais estão atualmente pesquisando ou desenvolvendo ativamente sua própria forma de moeda digital.

O Banco de Pagamentos Internacionais (BIS) apoia essas conclusões com seu estudo. Em janeiro de 2020, a entidade descobriu que 80% das instituições globais de bancos centrais estão pesquisando e desenvolvendo um CBDC.

Na verdade, a porcentagem de bancos centrais realizando exames de prova de conceito está crescendo, chegando a quase 50% por cento.

Notavelmente, 10% dos bancos centrais pesquisados planejam implementar um CBDC de varejo amplamente acessível nos próximos três anos. E 20% planejam introduzir um CBDC de varejo nos próximos seis anos.

Os benefícios das moedas digitais do banco central (CBDC)

Existem preocupações sobre os CBDCs e o que suas implementações podem trazer. No entanto, há também alguns benefícios claros em mudar para uma moeda fiduciária totalmente digital.

Um grande benefício são as possíveis acessibilidades. Os CBDCs poderiam tornar o acesso a dinheiro digital e serviços financeiros mais acessíveis para aqueles que foram excluídos financeiramente devido às suas circunstâncias.

Estas podem ser elementos como status de imigração, encarceramento, inadimplências anteriores, conhecimento financeiro limitado e, é claro, pobreza.

Além disso, isso permitiria aos governos administrar facilmente concessões em dinheiro digital, especialmente durante a próxima crise.

De acordo com o Banco Mundial, mais de 1,6 bilhão de adultos são considerados “sem banco”. Isso se refere a uma pessoa ou entidade que não tem acesso a um banco ou organização financeira semelhante.

Isso inclui nenhum acesso a cheques ou economias ou mesmo dinheiro digital fornecido por aplicativos de bancos. Esse status também abrange serviços como seguros, empréstimos, hipotecas ou proteções financeiras de qualquer tipo.

Da mesma forma, o Federal Deposit Insurance Corporation (FDIC) relatou na Pesquisa Nacional mais recente de famílias sem banco que um total de 14,1 milhões de adultos nos Estados Unidos são classificados como sem banco.

Os CBDCs são uma possível solução para esse problema. Eles oferecem acesso sem as restrições de uma conta bancária. Em vez disso, uma pessoa poderia obter acesso simplesmente por meio de um aplicativo. Isso reduz as necessidades a apenas ter um smartphone, algo que se tornou muito mais barato nos últimos anos.

Outra área em que as moedas digitais de banco central podem se tornar benéficas é no mundo das finanças descentralizadas. Em vez de um inimigo do mercaso, alguns consideram os CBDCs como um trampolim para uma adoção mais ampla dessas ferramentas e produtos.

“Os CBDCs são o principal motivador para que as pessoas comuns entrem no novo mundo financeiro DeFi. As pessoas ainda podem usar sua escolha de moedas fiduciárias e também sentir a magia da segurança, eficiência e composição da blockchain”, explica o CEO e cofundador da Furucombo, Hsuan-Ting Chu.

“Mas um passo muito importante para permitir que os CBDCs funcionem com eficiência é a regulamentação. É assim que os governos vão definir as regras para os recém-chegados e gerenciar aqueles que já estão no mercado. A recente mudança da Uniswap já nos deu um exemplo de como um protocolo DeFi deve se preparar para a regulamentação”.

China na vanguarda

A questão da regulamentação e gestão governamental das moedas digitais do banco central é o centro do debate em torno das moedas digitais.

Quando se trata de quais governos já estão avançando em relação a esses ativos, a China lidera o grupo. O país asiático lançou um projeto piloto em abril de 2020, que existe como o mais avançado do mundo até o momento.

Sua versão de moeda digital é controlada e regulamentada pelo seu banco central, permitindo que o governo chinês observe e monitore os pagamentos em tempo real, negando o anonimato por definição.

Desde o lançamento do Yuan digital, a China fez diversos avanços, com estimativas de distribuição de mais de US$ 23 milhões em vários testes de sua moeda digital atualmente em circulação.

“As moedas digitais do banco central se tornarão realidade muito em breve na China. Eles já fizeram programas-piloto em seu yuan digital e esperam lançar seu CBDC em 2022 ”, disse o COO da First Digital Trust, Gunnar Jaerv, um importante custodiante de ativos digitais de Hong Kong.

“Quando outros países perceberem o potencial que um CBDC pode ter no crescimento de um país, veremos mais aceitação das moedas digitais do banco central lançadas no futuro, mas isso levará muito tempo. A China já esteve muito à frente de todo o mundo nos últimos 10 anos. Eles começaram com WeChat e AliPay, e agora estão avançando com CBDCs. ”

O avanço da China em seu yuan digital chamou a atenção de governos de outros países. Isso inclui a administração Biden.

Os Estados Unidos estão de olho em seu desenvolvimento. Isso se deve às preocupações de que um CBDC chinês seja usado para contornar as sanções e possa impactar negativamente a superioridade do dólar americano.

O interesse institucional está se espalhando

O interesse de comunidades internacionais como o Japão, a França e a Austrália estão entre a lista crescente de países que se esforçam para desenvolver uma iniciativa de CBDC.

Por exemplo, a Rússia divulgou recentemente seu projeto para testar um rublo digital até 2022. Além disso, o FED de Boston está colaborando com o Instituto de Tecnologia de Massachusetts para desenvolver um CBDC.

O Banco Central da Nigéria anunciou recentemente um plano para lançar um teste de CBDC com o codinome “GIANT” no dia 1º de outubro. A moeda digital será executada na blockchain de código aberto Hyperledger Fabric.

A Autoridade Monetária de Cingapura (MAS) solicitou às empresas de tecnologia financeira que apresentassem soluções para uma infraestrutura de CBDC modelo de varejo.

Riscos e recompensas das CBDCs

No entanto, embora o interesse e os benefícios potenciais sejam aparentes, isso não significa que não haja riscos e preocupações.

Isso inclui a preocupação de que os CBDCs irão apenas reforçar as questões financeiras mais difíceis do mundo. Em vez de ser uma solução conforme previsto.

Um relatório de 2021 da Fitch Ratings Agency concluiu que “a adoção generalizada de CBDCs pode interromper os sistemas financeiros” se os riscos associados não forem gerenciados.

Esses riscos incluem ameaças à segurança cibernética, que têm crescido à medida que mais pessoas no mundo se conectam. Ele também observou preocupações de desintermediação financeira.

Outra ameaça associada quando se trata de CBDCs são os controles necessários para evitar fugas de bancos e problemas de abastecimento. Atualmente, as moedas fiduciárias são controladas, de certa forma, pelo controle de sua impressão. No entanto, quando uma moeda é digital, isso não é uma restrição.

Por mais que os bancos centrais controlem a circulação e a oferta de moeda, se eles farão a transição adequada para o espaço digital é outro vetor de risco.

Privacidade como uma questão central

Paralelamente a esse controle, está a preocupação relacionada à privacidade. A pesquisa de mercado feita pelo Fórum Oficial de Instituições Monetárias e Financeiras (OMFIF) sobre os componentes essenciais de um CBDC encontrou a privacidade e a segurança como principais preocupações.

Nos Estados Unidos e na Alemanha, 70% dos participantes estavam mais preocupados com a privacidade como elemento fundamental de um possível CBDC.

A privacidade é uma preocupação monumental porque um CBDC tornará mais fácil para os governos visualizar e rastrear as transações.

Atualmente, quando os consumidores estão usando os bancos, a maioria das agências governamentais já pode obter acesso aos registros financeiros. No entanto, isso ocorre apenas através da execução de um mandado judicial.

Embora as moedas digitais possam ser uma forma de ajudar os sem-banco, elas também são uma forma de os governos aumentarem a centralização.

Por mais que a moeda nacional seja um padrão, há um mercado onde os consumidores escolhem qual aparelho bancário será utilizado. Eles podem escolher seu banco, ajustar os termos e ter algum nível de controle.

Há um temor de que as moedas digitais do banco central (CBDCs) consolidem esse controle. Desse modo, ficará difícil para os cidadãos manterem mais autonomia sobre suas finanças.

O dilema das criptomoedas

É aqui que o argumento CBDC vs. criptomoedas geralmente entra. O Bitcoin e outras criptomoedas semelhantes foram projetados com privacidade e auto cuidado em mente.

Esses ativos podem liberar os usuários da vigilância e controle financeiro do governo e das políticas associadas aos bancos centrais.

Muitos comerciantes de criptomoedas acreditam que esses componentes são o sangue vital que alimentou a corrupção e a inflação.

“O que é necessário é um sistema de pagamento eletrônico baseado em prova criptográfica em vez de confiança”, escreve Satoshi Nakamoto em seu white paper de 2008. “As transações que são computacionalmente impraticáveis para reverter protegem os vendedores de fraudes.”

No entanto, alguns não acreditam que isto não seja um jogo de soma zero. O diretor de estratégia da CoinShares, Meltem Demiorors, disse à Reuters que um CBDC “estruturalmente não é diferente de uma moeda fiat e são muito complementares à criptografia, não competitivos”.

CBDCs são uma inevitabilidade. Nosso mundo está se tornando digital, e a necessidade de um sistema monetário baseado em papel já está se tornando nula e sem efeito. Os próximos anos tornarão mais claros os riscos e recompensas de uma moeda nacional digital.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Patrocinados
Share Article

Jesse McGraw é escritor, pesquisador de segurança da informação e ativista pela reforma penitenciária. Ele também é um ex black hat hacker e fundador do grupo hacktivista conhecido como Electronik Tribulation Army. Ele também é conhecido pelo apelido de "Ghost Exodus". Ele tem participações em ações e em Bitcoins, mas nada muito notável.

SEGUIR O AUTOR

Sinais de mercado, estudos e análises! Entre hoje no nosso Telegram!

Entrar agora

A ICO da Bit2Me ACABA DE COMEÇAR! Compre o token B2M agora.

Comprar agora!

Lançamento de BIT. Ganhe até 3.500 BIT. Não perca esse bonde

Entrar agora