Palestras FEM: Blockchain e digitalização trazem grandes mudanças no mundo pós pandemia

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • O mundo está há oito meses na pandemia do coronavírus.

  • Os palestrantes do FEM compartilharam suas ideias sobre quais inovações tecnológicas a pandemia ajudou a criar.

  • As organizações estão se voltando ativamente para tecnologias inovadoras para melhorar seus processos internos.

  • promo

    Estamos compartilhando informação no nosso grupo de Telegram , siga-nos! E obtenha sinais de trading e análise de criptomoedas diariamente!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

Oito meses após o início da pandemia de coronavírus, o Fórum Econômico Mundial (WEF) pediu aos inovadores em todo o mundo que compartilhassem sua visão de possíveis mudanças positivas em uma sociedade pós-pandemia.



Em uma postagem de blog publicada no dia 13 de novembro, o WEF apresentou opiniões e ideias de acadêmicos e líderes de startups de tecnologia sobre as oportunidades que a pandemia criou para transformar e melhorar a vida e a economia das pessoas.



Colaboração internacional no combate às imagens sexuais infantis

Netta Korin, fundadora da Hexa Foundation e cofundadora da Orbs, descreveu como a blockchain ajudou a preencher a lacuna de comunicação entre as agências internacionais responsáveis ​​pela aplicação da lei encarregadas de remover pornografia infantil da Internet . Ao aproveitar a nova tecnologia, as agências internacionais podem cooperar com mais rapidez e eficiência.

“Blockchain pode permitir maior comunicação e colaboração mais eficiente em escala global para agências de fiscalização que trabalham para remover imagens sexuais de crianças da Internet”, Korin disse, acrescentando:

“Uma rede privada compartilhada por todos os agentes, continuamente atualizada para novos conteúdos ilegais, pode ajudar agências em todo o mundo a se comunicarem com plataformas de nuvem e mídia social e permitir a remoção rápida de conteúdo ilegal existente e proibir o upload de outras imagens. “

De acordo com o National Center of Missing & Exploited Children, que documentou mais de 4 milhões de reclamações de abuso on-line somente em abril de 2020, teve um aumento de 106% em comparação com o mês anterior. No entanto, à medida que as agências de fiscalização locais e estrangeiras convergem em um esforço concentrado para combater essa ameaça crescente, o blockchain ostensivamente foi a plataforma tecnológica na busca para garantir que a presença online de crianças seja segura.

Inovação em saúde

Nitesh Jangir, um cofundador e diretor da Coeo Labs, explicou como a pandemia COVID-19 expôs o quão frágil é a infraestrutura de saúde primária em todo o mundo, principalmente nos países em desenvolvimento onde as doenças infecciosas representam um grande fardo.

Jangir explicou que vê uma grande oportunidade em mãos para “colaboração global entre todas as partes interessadas no fortalecimento da prestação de cuidados de saúde primários em locais de poucos recursos”.

Segundo ele, desde o início da pandemia, os sistemas de saúde aprenderam a se adaptar às novas condições sociais que evoluíram com o vírus. Eles ampliaram o alcance de seus serviços e práticas implantando tecnologia de telemedicina, diagnóstico remoto de pacientes, incluindo realidade aumentada e treinamento virtual para profissionais de saúde.

Lutando contra a onda de desinformação

Em um esforço para que isso aconteça, várias instituições globais têm supostamente colaborado para implementar iniciativas voltadas para educar as pessoas sobre como navegar no terreno traiçoeiro da desinformação, ensinando-as como tomar decisões informadas sobre em quem e no que confiar.

“As plataformas de tecnologia implementaram funções de verificação de fatos. Este problema vem crescendo há vários anos e o COVID-19 trouxe isso para o primeiro plano. As comunidades globais agora têm a oportunidade de trabalhar em soluções para reconstruir a credibilidade da mídia e a confiança pública na experiência profissional ”, disse Choi.

 

Os últimos meses demonstraram que tanto o governo quanto as organizações privadas estão se voltando ativamente para tecnologias inovadoras para melhorar seus processos internos. Como o BeInCrypto relatou anteriormente, o Ministério de Relações Exteriores da Dinamarca explorou várias tecnologias incluindo blockchain , big-data, e-governança e crowdsourcing para prevenção de fraude e mitigação de corrupção política e administrativa.

Os Emirados Árabes Unidos também lançaram sua plataforma de blockchain Conheça seu cliente para a troca de dados de clientes verificados, em julho. A iniciativa facilita a integração digital do cliente e compartilhamento de dados de clientes entre autoridades licenciadoras e instituições financeiras.

Share Article

Jesse McGraw é escritor, pesquisador de segurança da informação e ativista pela reforma penitenciária. Ele também é um ex black hat hacker e fundador do grupo hacktivista conhecido como Electronik Tribulation Army. Ele também é conhecido pelo apelido de "Ghost Exodus". Ele tem participações em ações e em Bitcoins, mas nada muito notável.

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá