Polícia de SP apreende R$ 172 milhões de 17 exchanges de criptomoedas

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Uma operação da Polícia Civil de São Paulo apreendeu R$ 172 milhões em criptomoedas.

  • O dinheiro havia sido repassado a exchanges por empresas registradas em nome de laranjas.

  • A Polícia ainda não revelou o nome das 17 exchanges envolvidas no esquema.

  • promo

    Lançamento de BIT: Ganhe até 3.500 BIT. Não perca esse bonde Entrar agora!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

Uma operação da Policia Civil de São Paulo apreendeu mais de R$ 172 milhões que foram depositadas em 17 exchanges suspeitas de intermediarem a compra e venda de criptomoedas para empresas fictícias.

Patrocinados



Patrocinados

A operação foi chamada de “Operação Exchange” e cumpriu seis mandatos de busca e apreensão na cidade de São Paulo e em Diadema. Foram sequestrados valores de contas de duas pessoas físicas e 17 jurídicas. Em nota, a Polícia informou que não vai divulgar o nome das exchanges envolvidas para não atrapalhar as investigações.

Segundo a Polícia Civil, as investigações apontaram que as empresas envolvidas faziam a transação de grandes valores de dinheiro entre si e, depois, o enviavam para as exchanges para a compra de criptomoedas.

Patrocinados



Patrocinados

Aparentemente, as empresas envolvidas, muitas delas registradas em nome de laranjas, forneciam a chave privada da carteira onde estava o dinheiro para que seus clientes pudessem sacar o dinheiro sem serem rastreados.

A inteligência da Polícia também teria revelado que uma das exchanges só possuía vínculos com estas empresas. Ela teria feito transações de até R$ 10 milhões em criptomoedas em cinco meses, para apenas seis empresas fictícias. Outras oito companhias teriam adquirido R$ 15 milhões em cripto no mesmo período.

A Polícia acredita que as exchanges não fazem a verificação da identidade de seus clientes ou da origem dos valores negociado. Portanto, elas se valeriam “do mercado negro para obter lucro e dar aspecto lícito ao dinheiro recebido, operando conscientemente em favor de uma organização criminosa destinada à lavagem de capitais por meio de criptomoedas”.

Crimes

A ação é mais uma das várias que a polícia brasileira tem efetuado que envolvem criptomoedas. No início de julho, uma operação em Curitiba prendeu pessoas relacionadas ao Grupo Bitcoin Banco (GBB), responsáveis por um golpe que teria enganado mais de sete mil pessoas em todo o país, incluindo famosos.

Na terça-feira (21), a Receita Federal também apreendeu quatro mineradoras de criptomoedas que estavam sendo contrabandeadas para o Brasil. A mercadoria foi localizada em Foz do Iguaçu e estava sendo transportada para o Rio Grande do Sul.

Um balanço da Polícia Federal divulgado em maio de 2021, por sua vez, revelou que foram apreendidas mais de 6.000 BTC em todo o território nacional em 2020, através de operações policiais.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Patrocinados
Share Article

Editora-chefe do BeInCrypto Brasil. Jornalista de dados por formação, possui 10 anos de experiência na cobertura de tecnologia e, agora, está se aventurando pelo mundo cripto. Criou uma galeria NFT com fotos de seus gatos. Tem passagens na Globo, Gazeta do Povo e no Portal UOL.

SEGUIR O AUTOR

Sinais de mercado, estudos e análises! Entre hoje no nosso Telegram!

Entrar agora

A ICO da Bit2Me ACABA DE COMEÇAR! Compre o token B2M agora.

Comprar agora!

Lançamento de BIT. Ganhe até 3.500 BIT. Não perca esse bonde

Entrar agora