Preso com Covid tem liberdade negada por suposta visita a mineradora de criptomoedas

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Homem suspeito de tráfico foi preso preventivamente

  • Ele pediu para sair da prisão porque faz parte do grupo de risco da Covid-19

  • O juiz negou o pedido; suposta visita a mineradora de criptos influenciou decisão

  • promo

    Estamos compartilhando informação no nosso grupo de Telegram , siga-nos! E obtenha sinais de trading e análise de criptomoedas diariamente!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

Em setembro, um homem foi preso preventivamente por suspeita de tráfico de drogas. Ele alegou, então, que faz parte do grupo de risco da Covid-19 e entrou com pedido de liberdade provisória.



O juiz, no entanto, não acatou o pedido. A decisão foi publicada na quinta-feira (15) no Diário Eletrônico da Justiça Federal.

Um dos motivos para a negativa, segundo o magistrado, é que o preso alegou ter visitado supostas mineradoras internacionais de criptomoedas. As empresas estariam na América Latina e na Europa.



De acordo com o juiz, a suposta ida às mineradoras pode indicar que o homem tem contatos fora do país. Com isso, ele poderia mais facilmente ocultar bens ou fugir do Brasil.

“O fato dos custodiados (há outros investigados) estarem aliados a terceiro(s) ainda não identificado(s), cuidando-se portanto de indivíduos com contatos nesta região, ensejando a facilidade de ocultação e fuga, para além das fronteiras nacionais, como é o caso do requerente, de modo a possibilitar que se furtem à aplicação da lei penal”, disse o magistrado.

Além da suposta visita às mineradoras, o juiz também levou em consideração outros pontos para negar a liberdade provisória.

Um deles, por exemplo, é que com o preso foram encontradas uma arma de fogo não registrada e uma caixa com 16 munições.

Além disso, segundo a sentença, existe a possibilidade de o homem continuar a praticar crimes fora da prisão.

O que disse o preso sobre as mineradoras de criptos?

No processo, o preso disse que viajou no final de 2019 para conhecer as supostas mineradoras. As empresas, segundo declaração dele, estariam na Colômbia e na Suíça.

Ao chegar ao país sul-americano, no entanto, ele disse que a visita à mineradora não deu certo. Ele não explicou o motivo. Na sentença, não consta o nome da empresa.

Já no caso da viagem para conhecer a mineradora da Suíça, o homem informou que, ao chegar à empresa, percebeu que era “golpe”. Também não há nos autos o nome do suposto negócio.

Entenda o caso

O preso, segundo informações da sentença, é dono de uma empresa de exportação de Santos, em São Paulo. Ele foi detido no dia 29 de setembro pela PF (Polícia Federal).

No dia da prisão, a PF informou ter encontrado 373 kg de cocaína dentro de um container pertencente à exportadora dele. O equipamento seria enviado para Porto de Algeciras, na Espanha.

Além dele, outros três homens são investigados.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Share Article

TÓPICOS RELACIONADOS

Jornalista desde 2010. Já colaborei para diversos veículos, como Gazeta do Povo, Agência Estadual de Notícias (AEN) e Paraná Portal. Escrevo regularmente para o UOL e para outros portais especializados em criptoeconomia. Tive meu primeiro contato com o mercado de criptomoedas em meados de 2019, quando comecei a cobrir casos de golpes financeiros. No BeInCrypto, produzo e edito textos.

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá