Receita apreende mineradoras de criptomoedas em Foz do Iguaçu

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Operação da Receita apreende quatro mineradoras de criptomoedas usadas na fronteira.

  • Contrabando era transportado para o Rio Grande do Sul.

  • O valor estimado de cada dispositivo é de mais de R$ 12.000.

  • promo

    Participe da nossa comunidade gratuita no Telegram e obtenha sinais de trade e análises de criptomoedas todos os dias!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

Uma operação da Receita Federal na Tríplice Fronteira apreendeu quatro mineradoras de criptomoedas que estavam sendo contrabandeadas para o Brasil.

Patrocinados



Patrocinados

A Operação Escudo, deflagrada pela Receita Federal na região de Foz do Iguaçu (PR), revelou que apreendeu quatro mineradoras de criptomoedas usadas em um balanço divulgado na quarta-feira (21) sobre as duas semanas de atuação, completados no último sábado (17).

Os equipamentos estavam em um jipe pertencente a um casal de Caxias do Sul (RS). Durante a abordagem, os suspeitos afirmaram que as mineradoras eram computadores usados que eram transportados para manutenção. Em um segundo momento, entretanto, eles admitiram que estavam trazendo os dispositivos para o estado.

Patrocinados



Patrocinados

O uso planejado para as mineradoras não foi revelado e a Receita Federal estima que elas valham mais de R$ 12.000 cada.

Operação Escudo

A operação da Receita Federal conta com a colaboração de mais de 70 servidores de todo o país e ocorre na região de Foz do Iguaçu, perto da tríplice fronteira do Brasil com Argentina e Paraguai. O objetivo é combater o que a Receita chama de “contrabando formiguinha”, o uso da cota de isenção de bagagens para a movimentação de vários produtos em muitas viagens.

A Receita aponta que a cota de isenção saltou de R$ 1.930 para R$ 11.467 em relação à quinzena anterior, o que estimulou laranjas a fazerem várias travessias por dia entre os países. De acordo com o órgão, as pessoas pegas nestas movimentações são registradas e perdem o benefício da isenção por 30 dias.

Um exemplo citado é uma mulher que foi abordada transportando um equipamento de som profissional, avaliado em mais de US$ 9.600. Ela apresentou uma fatura falsa de US$ 490 e, depois, admitiu ter sido contratada para levar a mercadoria. A suspeita foi multada em R$ 34 mil.

Em duas semanas, a estimativa é que tenham sido apreendidos R$ 10,2 milhões em mercadorias contrabandeadas. Segundo a Receita, a maior parte dos produtos é encontrada escondida em compartimentos ocultos de veículos, como fundos falsos no piso ou até mesmo em capacetes de motociclistas.

A maior parte das apreensões é de eletrônicos, como smartphones e notebooks. Além deles, foram apreendidas cargas de vinhos estrangeiros, avaliadas em R$ 496.000 e mais de mil pneus importados de forma irregular. A Receita também descobriu um carro com fundo falso com cerca de R$ 130.000 em celulares.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Patrocinados
Share Article

Jornalista de dados por formação, atuo no ramo de tecnologia há dez anos. Foi durante este tempo que conheci o mundo de criptomoedas, que venho acompanhando desde então. Já atuei para o grupo Globo, o jornal Gazeta do Povo de Curitiba (PR) e atualmente também escrevo para o portal UOL.

SEGUIR O AUTOR

Sinais de mercado, estudos e análises! Entre hoje no nosso Telegram!

Entrar agora

Sinais de mercado, estudos e análises! Entre hoje no nosso Telegram!

Entrar agora

Sinais de mercado, estudos e análises! Entre hoje no nosso Telegram!

Entrar agora