Rival do Ethereum para criação de NFT zero-carbono pede registro no Brasil

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Near Protocol pede registro de marca no Brasil.

  • Solução blockchain é alternativa ao Ethereum para criação de contratos inteligentes.

  • Um dos focos é a criação de NFTs de maneira mais sustentável.

  • promo

    Estamos compartilhando informação no nosso grupo de Telegram , siga-nos! E obtenha sinais de trading e análise de criptomoedas diariamente!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

Nova alternativa ao Ethereum para NFTs e contratos inteligentes em geral promete funcionamento mais ecologicamente sustentável.



O Near Protocol, uma plataforma de contratos inteligentes, solicitou registro de marca no Brasil segundo publicado pela Revista da Propriedade Industrial, do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI).

Rival do Ethereum, a solução usa como moeda nativa o NEAR, token lançado em agosto de 2020, pouco depois do anúncio da plataforma, realizada em abril.



Nesse curto período, o ativo teve dois momentos. Um deles foi de estabilidade, até o final do ano. No entanto, 2021 tem sido de ampla valorização: o token valorizou 370%, de R$ 1,39 em 1º de janeiro para R$ 6,52 nesta terça-feira (16).

Um dos motivos é o aumento da procura por alternativas ao Ethereum por contas das altas taxas. É o mesmo movimento que impulsiona, por exemplo, altcoins como BNB, da Binance Smart Chain, DOT, da Polkadot, e SOL, da Solana. Além disso, a tecnologia cresce na esteira da onda dos NFTs.

Near x Ethereum

Assim como essas opções, o Near Protocol é uma plataforma de contratos inteligentes que permite criar projetos DeFi em geral, além de tokens não-fungíveis (NFT) sustentáveis.

Artistas NFT estão preocupados com razão com as mudanças climáticas. O NEAR Protocol foi certificado como climaticamente Neutro pela SouthPole Global e com o objetivo de ser Negativo no futuro próximo.

Segundo o time de desenvolvedores do protocolo, dessa forma, o Near não polui como outros projetos, como é o caso do Bitcoin e do próprio Ethereum.

Um dos motivos é o meio de funcionamento da tecnologia. O protocolo utiliza como mecanismo de consenso a participação, ou staking. Desse modo, são nós validadores da rede os endereços que contém determinada quantia de NEAR acumulado.

Por esse motivo, a rede não consome tanta energia quanto o Bitcoin e, ao mesmo tempo, busca entregar maior velocidade de transações e taxas mais baixas. Em muitos quesitos, o projeto se parece com o Ethereum 2.0, que ainda engatinha e não tem previsão para substituir a versão atual de vez.

NFT

O apelo à sustentabilidade é uma forma de tentar atrair o mercado em expansão dos NFTs. Os tokens não-fungíveis são considerados a sensação cripto de 2021 e vêm chamando atenção no Brasil e mundo afora.

As negociações começaram a se destacar ainda em 2020, quando uma coleção digital foi arrematada por US$ 800 mil (R$ 4,46 bilhões). Outros episódios envolveram ainda uma obra destruída do artista Banksy.

No entanto, o caso mais emblemático ocorreu com o artista Beeple, que vendeu uma criação por US$ 69 milhões (R$ 385 milhões). Mais tarde, ele ofereceu o mesmo valor por um NFT de Elon Musk.

– Estou vendendo esta música sobre NFT no formato NFT.

– Eu lhe ofereço US$ 69 milhões por ele.

O pedido do Near Prococol ao INPI se refere à marca registrada do projeto e não necessariamente implica na atuação direta no país. Por outro lado, como não tem fronteiras, a tecnologia está igualmente disponível para brasileiros interessados em DeFi.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Share Article

Sou jornalista e especialista, pela USP-SP, em Comunicação Digital. Já trabalhei em rádio e impresso, mas boa parte da minha experiência vem do online. Desde 2013, colaboro regularmente com o Grupo Globo na área de tecnologia, onde já cobri assuntos diversos da área, de lançamentos de produtos aos principais ataques hackers dos últimos anos. Também já prestei consultoria em projetos do Banco Mundial e da ONU, entre outras instituições com foco em pesquisa científica. Entrei no mundo das criptomoedas principalmente na cobertura de ataques cibernéticos e golpes no Brasil. Atualmente, faço mestrado em Comunicação Científica na Universidade de Granada, na Espanha. Escrevo para o BeInCrypto desde abril de 2020.

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá