“Se o CADE não instaurar processo, os bancos não vão mudar”, diz presidente da ABCB

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Fernando Furlan volta a defender abertura de processo

  • Para ele, atitude do CADE pode viabilizar negociações

  • Inquérito sobe fechamento de contas de exchanges se estende desde 2018

  • promo

    Participe da nossa comunidade gratuita no Telegram e obtenha sinais de trade e análises de criptomoedas todos os dias!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

O presidente da Associação Brasileira de Criptomoedas e Blockchain (ABCB), Fernando Furlan, defendeu uma postura enérgica do governo contra o setor bancário.

Patrocinados



Patrocinados

Desde 2018, empresários de exchanges e blockchain em geral travam uma disputa. No centro está a impossibilidade de negócios de criptoativos de abrir contas e obter serviços junto ao sistema financeiro tradicional.

Em um evento online no último sábado (30), Furlan disse que apenas a abertura de um processo por parte do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) pode resolver o problema.

Patrocinados



Patrocinados

A gente está caminhando para tentar mostrar lá no CADE que, se não passar para a próxima etapa da investigação, que é instaurar o processo administrativo, os bancos não vão mudar de postura.

Participe da nossa Comunidade de Trading no Telegram para acessar sinais exclusivos de negociação, conteúdo educacional, discussões e análises de projetos!

Bancos x ABCB

Furlan se refere à reabertura do inquérito decorrente de um pedido protocolado pela ABCB em 2018. Na época, empresários de criptoativos pediram medida preventiva contra Banco do Brasil, Bradesco, Itaú, Santander, Banco Inter e Sicredi. A ideia era impedir que as instituições se negassem a abrir contas.

Os bancos criticaram fortemente a ABCB e citaram liberdade em recusar clientes prevista em lei. Empresários do setor cripto, por outro lado, acusam bancos de agirem em conjunto. Para eles, portanto, atitude configuraria interferência no ambiente de concorrência.

No final do ano passado, porém, o Banco Central bateu o martelo a favor dos bancos e encerrou o inquérito.

A mudança de rumo veio após um novo despacho decisório do CADE do dia 13 de maio. No documento, a conselheira Lenisa Rodrigues Prado passou a considerar que o caso traz elementos suficientes para abertura de investigação.

Para a conselheira, a recusa dos bancos em abrir contas para empresários do setor de criptoativos pode empurrar as corretoras para um limbo financeiro. O CADE, dessa maneira, teria o “dever de proteger a concorrência neste mercado em ascensão”.

Processo poderia abrir negociações

O despacho abriu caminho para a abertura do processo administrativo. No entanto, apesar de permitir a continuação das investigações, o CADE ainda não seguiu por esse caminho.

Para o presidente da ABCB, uma medida mais agressiva do CADE poderia facilitar a abertura de um canal de negociações entre os bancos e o setor de criptomoedas. O posicionamento do órgão, portanto, deixaria as instituições financeiras tradicionais confortáveis.

Os bancos têm tido a postura no CADE de negar qualquer ilegalidade, negar qualquer abusividade. Os bancos então não têm incentivo para sentar-se à mesa e negociar um eventual acordo. Estou falando dos quatro ou cinco grandes [bancos] que estão lá sendo investigados.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Patrocinados
Share Article

TÓPICOS RELACIONADOS

Sou jornalista e especialista, pela USP-SP, em Comunicação Digital. Já trabalhei em rádio e impresso, mas boa parte da minha experiência vem do online. Desde 2013, colaboro regularmente com o Grupo Globo na área de tecnologia, onde já cobri assuntos diversos da área, de lançamentos de produtos aos principais ataques hackers dos últimos anos. Também já prestei consultoria em projetos do Banco Mundial e da ONU, entre outras instituições com foco em pesquisa científica. Entrei no mundo das criptomoedas principalmente na cobertura de ataques cibernéticos e golpes no Brasil. Atualmente, faço mestrado em Comunicação Científica na Universidade de Granada, na Espanha. Sou editor-chefe do BeInCrypto Brazil desde abril de 2021.

SEGUIR O AUTOR

Previsões de cripto com o Melhor Canal de Sinais com +70% de acertos!

Entre Agora

Sinais de mercado, estudos e análises! Entre hoje no nosso Telegram!

Entrar agora