Supostas pirâmides de Bitcoin do RJ movimentaram R$ 40 bilhões

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Segundo informações da Polícia Federal, as empresas investigadas teriam movimentado cerca de R$ 40 bilhões nos últimos seis anos.

  • Cerca de R$ 150 milhões em criptomoedas usadas pelo grupo foram apreendidas, valor recorde envolvendo criptomoedas no Brasil.

  • Dono da GAS Consultoria Bitcoin, empresa que prometia lucros mensais de 10% a 15%, foi preso.

  • promo

    BIT: 8 milhões de BITs em prêmios. Três rodadas; Montanhas de prêmios. Entrar agora!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

Segundo informações da Polícia Federal, empresas investigadas no Rio de Janeiro por supostamente operarem um esquema de pirâmide com uso de Bitcoin teriam movimentado cerca de R$ 40 bilhões nos últimos seis anos.

Patrocinados



Patrocinados

A Polícia Federal revelou mais detalhes da operação Kryptos, deflagrada na quarta-feira (25) juntamente com o Ministério Público Federal (MPF) e a Receita Federal do Brasil (RFB).

Cerca de R$ 150 milhões em criptomoedas usadas pelo grupo foram apreendidas, valor recorde envolvendo esses ativos no país. Além disso, quase R$ 20 milhões em espécie, diversas joias e relógios de luxo, mais de 20 carros e montantes de dinheiro em moeda estrangeira também foram confiscados e estão agora sob custódia judicial.

Patrocinados



Patrocinados

A operação prendeu cinco pessoas, entre elas o dono da GAS Consultoria Bitcoin, Glaidson Acácio. Dois membros do esquema foram presos no Aeroporto Internacional de Guarulhos (SP), tentando fugir do país. Ainda segundo a PF, quatro integrantes do grupo estão foragidos, dois no exterior.

Entenda o caso envolvendo Bitcoin

Cabo Frio, cidade do litoral do Rio de Janeiro, ganhou grande destaque nacional após matéria no Fantástico relatando a grande quantidade de negócios que operavam esquemas de pirâmide financeira. Uma das empresas divulgadas foi a GAS Consultoria Bitcoin.

A empresa já estava sendo investigada pelo MPF e pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), devido a promessas de rendimentos não condizentes com o mercado financeiro.

Liderada por Glaidson, a GAS prometia lucros de 10% a 15% por mês em investimentos atrelados ao Bitcoin (BTC). Mas, segundo as investigações, o dinheiro dos clientes não era sequer aplicado na criptomoeda.

Boa parte das transações feitas pelo grupo ocorreram nos últimos 12 meses, quando o Bitcoin voltou a ter um forte movimento de alta, se tornando cada vez mais buscado por investidores brasileiros. Neste período, a GAS chegou a movimentar mais de R$ 15 bilhões.  

Agora, Glaidson e demais membros do grupo irão responder a diversos crimes, como organização criminosa e gestão financeira fraudulenta/temerária.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Patrocinados
Share Article

Anderson atua como redator para o BeInCrypto, escrevendo sobre as principais notícias sobre o criptomercado e economia em geral. Antes de entrar para a equipe brasileira do site, ele participou de projetos relacionados a trading, produção de notícias e conteúdos educacionais relacionados a criptomoedas. Formando em Administração, está cursando pós graduação em Investimentos e Blockchain pela EA Banking School.

SEGUIR O AUTOR

Sinais de mercado, estudos e análises! Entre hoje no nosso Telegram!

Entrar agora

Sinais de mercado, estudos e análises! Entre hoje no nosso Telegram!

Entrar agora

BIT. 8 milhões de BITs em prêmios. Três rodadas; Montanhas de prêmios.

Entrar agora