Vacina da Pfizer não salva Ibovespa, dólar vai a R$ 5,64 e Bitcoin sofre com caso OKEx

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • IBOV sobe na semana, mas fecha sexta em queda mesmo com notícia da vacina da Pfizer

  • Pelo mesmo motivo, dólar volta a disparar

  • Nem o Bitcoin deu trégua com a apreensão em torno da OKEx

  • promo

    Estamos compartilhando informação no nosso grupo de Telegram , siga-nos! E obtenha sinais de trading e análise de criptomoedas diariamente!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

O otimismo mundial em torno da notícia positiva sobre a vacina da Pfizer não foi suficiente para fazer o IBOV subir e o dólar cair. Além disso, o Bitcoin perdeu terreno após problemas na exchange OKEx.



A semana mais curta por conta do feriado teve IBOV subindo logo de cara, mas o movimento se inverteu dias depois. Já o dólar só fez subir e obrigou o Banco Central a se mexer. Enquanto isso, o Bitcoin chegou a ensaiar subida, mas foi contido após a notícia de que a corretora OKEx havia suspendido saques.

Veja como Ibovespa, dólar e Bitcoin fecharam a semana.



Ibovespa fecha em queda apesar de vacina da Pfizer

O IBOV chegou a se aproximar novamente dos 100 mil pontos e melhora na comparação com os 97.483 pontos do fechamento da semana passada. No entanto, o índice fecha em queda. Nesta sexta-feira (16), o Ibovespa encerrou em 98.500 pontos, 0,55% abaixo do dia anterior.

O resultado vai no caminho inverso das bolsas mundiais, que avançam em meio à notícia da Pfizer. O laboratório anunciou que pedirá autorização emergencial para sua vacina já no mês de novembro.

Entre os motores que levam à queda em âmbito nacional estão novas perdas da Petrobrás frente à queda por demanda de petróleo. Além disso, o mercado mantém preocupação com as contas públicas enquanto se aproxima o vencimento de títulos no valor de R$ 640 bilhões no começo de 2021.

Dólar volta a disparar e fecha em R$ 5,64

O dólar voltou a subir em resposta às incertezas locais e à saída de capital estrangeiro do país. Após ter fechado a última semana a R$ 5,52, a moeda americana avançou para R$ 5,64 nesta sexta-feira. O avanço diário é de 0,32% e de 2,17% na semana, apesar da vacina da Pfizer.

O movimento se deve principalmente à maior fraqueza do real. A moeda brasileira acumula meses de maus resultados e está no fim da fila de desempenho entre as emergentes. Enquanto sobe no Brasil, o dólar perde força no mundo com o índice DXY caindo 0,16% às 17h22.

Bitcoin ensaia subida, mas leva tombo por caso OKEx

O Bitcoin começou a semana com uma subida importante na segunda-feira (12). Com os mercados parados no feriado, a criptomoeda engatou valorização de 3,81% em cerca de 24 horas. De US$ 11.251, foi a US$ 11.680.

Após leve correção nos dias seguintes, o BTC voltou a passar de US$ 11.500 na quinta-feira (15). No entanto, nesta sexta-feira, a moeda foi abalada pelos problemas na OKEx. A exchange anunciou suspensão dos saques após o fundador supostamente ter sido preso.

Bitcoin perdeu quase 3% após escândalo da OKEx

 

O Bitcoin caiu rapidamente quase 3% após a notícia, indo a US$ 11.274, segundo o Coingecko. Desde então, moeda conseguiu recuperar parte do terreno, mas segue na zona de US$ 11.300 até às 17h22.

No Brasil, a queda foi menos sentida por conta da alta do dólar. Mesmo com a queda em dólar, a criptomoeda já chega às região dos R$ 65.000 no Brasil. Segundo o Cointrader Monitor, o preço nas exchanges é de, em média, R$ 64,493.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Share Article

Sou jornalista e especialista, pela USP-SP, em Comunicação Digital. Já trabalhei em rádio e impresso, mas boa parte da minha experiência vem do online. Desde 2013, colaboro regularmente com o Grupo Globo na área de tecnologia, onde já cobri assuntos diversos da área, de lançamentos de produtos aos principais ataques hackers dos últimos anos. Também já prestei consultoria em projetos do Banco Mundial e da ONU, entre outras instituições com foco em pesquisa científica. Entrei no mundo das criptomoedas principalmente na cobertura de ataques cibernéticos e golpes no Brasil. Atualmente, faço mestrado em Comunicação Científica na Universidade de Granada, na Espanha. Escrevo para o BeInCrypto desde abril de 2020.

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá