Valor do Bitcoin dispara após corte da taxa SELIC

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Redução da SELIC culmina na valorização do Bitcoin

  • Fuga de investimentos estrangeiros causa desvalorização do Real

  • Bitcoin valoriza mais de 6% no Brasil, contra 4% no exterior

  • promo

    Estamos compartilhando informação no nosso grupo de Telegram , siga-nos! E obtenha sinais de trading e análise de criptomoedas diariamente!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

Bitcoin dispara após corte da SELIC. Após decisão do COPOM de reduzir a taxa SELIC para 3%, contra os 3,75% de antes, o mercado reage com a desvalorização do Real em relação ao Dólar, o que também reflete no preço do Bitcoin.



O Comitê de Política Monetária (COPOM), órgão do Banco Central, resolveu diminuir a meta da SELIC.

De 3,75%, a taxa SELIC passou para 3,00%.



Apesar de o mercado prever uma redução, a diminuição de 0,75% surpreendeu a maior parte dos economistas, que esperavam algo em torno de 0,25 a 0,50%.

O reflexo no mercado foi imediato: o preço do Bitcoin disparou no Brasil, bem como a cotação do dólar.

Ambos os ativos demonstram que o Real se desvalorizou ainda mais com a decisão do órgão monetário.

Bitcoin dispara após corte da SELIC

A decisão do COPOM está afetando o valor do Real.

No caso, o que ocorre é uma enorme desvalorização da moeda brasileira frente a outros ativos.

O Bitcoin dispara após corte da SELIC, por exemplo.

Isso porque, no exterior, o BTC valoriza na casa dos 4,13% em comparação com o Dólar.

Porém, no Brasil, a valorização diária já bate na casa dos 6,1%.

Em termos práticos, isso significa que um Bitcoin equivale a R$ 55.860,00, no momento. Para comparação, no dia 01 de maio, o câmbio era de R$ 48.850,00.

Assim, o valor do Bitcoin aumentou R$ 7.000,00 em apenas sete dias.

Dólar dispara na comparação com o Real

Não foi apenas o Bitcoin que subiu.

Durante a manhã do dia 07 de maio, o Dólar já equivale a R$ 5,86. O Euro, por sua vez, está em R$ 6,32.

Embora diversas moedas tenham desvalorizado ao redor do globo, o Real atingiu o posto de “pior moeda do mundo” em 2020.

Assim acontece porque a sua desvalorização supera, em muito, a média das outras moedas fiduciárias globais.

Contudo, porque isso está ocorrendo?

Razões do fenômeno econômico atual

Diversos fatores contribuem para a valorização do Bitcoin em relação ao Real:

Taxa Selic em 3%

A redução da Taxa SELIC visa aumentar o crédito disponível na praça, através do barateamento das operações de crédito interbancárias.

Porém, com os juros mais baixos, os investimentos estrangeiros tendem a sair do país, em busca de taxas mais rentáveis.

Dessa maneira, sempre que a taxa SELIC diminui, o Dólar aumenta.

O Bitcoin, por sua vez, também aumenta, já que é um criptoativo global. Por isso, um corte na SELIC faz o Bitcoin disparar.

Cenário político-econômico conturbado

O Brasil vive um momento complexo atualmente:

  • Pandemia do COVID-19 causa desaceleração na economia
  • Crises políticas, em especial após a saída do Ex-ministro Sérgio Moro
  • Incerteza em relação ao futuro próximo

Todos esses fatores contribuem para aumentar o receio dos investidores, o que geralmente culmina na desvalorização da moeda nacional.

Injeção de liquidez na economia

O BACEN vem injetando trilhões de Reais na economia brasileira.

Através de diversos mecanismos, o Banco Central está facilitando as operações de financiamento bancárias.

Porém, a injeção de liquidez causa desvalorização da moeda, já que, na prática, significa mais dinheiro na praça ao mesmo tempo que a demanda está reduzida.

Com todos esses aspectos em movimento, é de se esperar que o Bitcoin continue valorizando nos próximos tempos.

 

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Share Article

TÓPICOS RELACIONADOS

Nicolas se formou em Direito pela Universidade Federal do Paraná e é pós-graduado em Gestão de Negócios Internacionais. Atualmente, cursa Jornalismo na FAPCOM. Escreve sobre economia, política e história há alguns anos. Em 2017, após entrar em contato com a tecnologia blockchain, se entusiasmou com o seu potencial e passou a estudar as aplicações da tecnologia aos diversos setores da economia. Seu foco está em discutir as melhores maneiras de alavancar o desenvolvimento nacional através do uso do blockchain e das criptomoedas.

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá