WhatsApp diz que integrará PIX após ter pagamentos proibidos pelo Banco Central

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • O WhatsApp rebateu críticas de transparência

  • Empresa se comprometeu a adotar PIX assim que sistema estrear

  • Banco Central oficiou Visa e Mastercard para não operarem pagamentos no WhatsApp

  • promo

    Estamos compartilhando informação no nosso grupo de Telegram , siga-nos! E obtenha sinais de trading e análise de criptomoedas diariamente!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

O WhatsApp disse, na noite da última terça-feira (23), que planeja integrar o PIX ao seu sistema de pagamentos. A fala veio logo após o Banco Central suspender o funcionamento do WhatsApp Pay no Brasil.



Em comunicado obtido pelo BeInCrypto, o WhatsApp diz que seu sistema de pagamentos visa um modelo aberto. A empresa também vê com bons olhos novas parcerias locais e com o Banco Central. Diz também que apoia o PIX, nova rede de pagamentos instantâneos que deverá estrear em setembro.

Veja a nota na íntegra:



Ficamos muito animados com a avaliação positiva das pessoas no Brasil com o lançamento de pagamentos no WhatsApp na semana passada. Fornecer opções simples e seguras para que as pessoas realizem transações financeiras é muito importante durante esse período crítico de pandemia e ajudará na recuperação de pequenos negócios. Nosso objetivo é fornecer pagamentos digitais para todos os usuários do WhatsApp no Brasil, com um modelo aberto e trabalhando com parceiros locais e o Banco Central. Além disso, apoiamos o projeto PIX do Banco Central, e junto com nossos parceiros estamos comprometidos em integrar o PIX aos nossos sistemas quando estiver disponível.

Participe da nossa Comunidade de Trading no Telegram para acessar sinais exclusivos de negociação, conteúdo educacional, discussões e análises de projetos!

Banco Central proíbe WhatsApp Pay no Brasil

A notícia da proibição do sistema de pagamentos do WhatsApp caiu como uma bomba na tarde de ontem. Em comunicado, o Bacen disse que o motivo era “preservar um adequado ambiente competitivo”. A razão seria a defesa de um “sistema de pagamentos interoperável, rápido, seguro, transparente, aberto e barato”.

A decisão, tomada em conjunto com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), menciona que o WhatsApp Pay poderia gerar “danos irreparáveis ao SPB [Sistema Brasileiro de Pagamentos]”.

Visa e Mastercard foram oficiados para suspender os serviços relacionados. A entidade menciona também possíveis prejuízos à privacidade de dados. Dias depois do anúncio do WhatsApp Pay, o Bacen chegou a indicar certo temor de monopólio.

No entanto, é importante lembrar que o WhatsApp Pay não foi anunciado sem o conhecimento do Banco Central.

A entidade sabia das tratativas do Facebook com empresas locais para viabilizar o projeto. Banco do Brasil, Nubank e Sicredi são os bancos parceiros. Além disso, a Cielo processaria os pagamentos.

As ações da Cielo, aliás, despencaram logo após o anúncio da suspensão. Dias após disparar por conta da parceria com o Facebook, os papeis da empresa caíram 2%. O anúncio do Banco Central, vale lembrar, ocorreu já próximo do fechamento do mercado financeiro.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Share Article

Sou jornalista e especialista, pela USP-SP, em Comunicação Digital. Já trabalhei em rádio e impresso, mas boa parte da minha experiência vem do online. Desde 2013, colaboro regularmente com o Grupo Globo na área de tecnologia, onde já cobri assuntos diversos da área, de lançamentos de produtos aos principais ataques hackers dos últimos anos. Também já prestei consultoria em projetos do Banco Mundial e da ONU, entre outras instituições com foco em pesquisa científica. Entrei no mundo das criptomoedas principalmente na cobertura de ataques cibernéticos e golpes no Brasil. Atualmente, faço mestrado em Comunicação Científica na Universidade de Granada, na Espanha. Escrevo para o BeInCrypto desde abril de 2020.

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá